HUGO COQUETO

Prá quem ainda não sabe, a abreviação BWV que costuma preceder o nome das obras de J. S. Bach refere-se à Bach-Werke-Verzeichnis ("Catálogo de Obras de Bach" em alemão). A obra conhecida hoje como “Jesus alegria dos Homens” (Jesus bleibet meine Freude, em alemão) é a 32ª cantata do famoso compositor, apesar de por motivos não muito claros, estar catalogada como nº BWV 147. A despeito do que se apregoa, o grande compositor apenas criou as tercinas, que eram, segundo entendidos, "um dos símbolos bachianos para indicar a felicidade". Estas tercinas executada pelo cravo, foram sobrepostas pelo grande mestre à melodia preexistente na época, cujo autor era Johann Schop, cantada pelo coral. Coube também ao grande compositor, harmonizar as vozes do coral. Foi assim que o grande mestre transformou uma linda canção em uma grande obra. Este resultado harmônico, o público presente ao teatro pôde usufruir, por conta da versatilidade dos alunos da exigente professora Priscila Carnaúba, dentre eles o talentoso Hugo, que esteve à altura do que a música requeria. As outras colegas que compunham o quarteto de teclados foi Júlia Guimarães e Mykaelly Oliveira. Um dos alunos executou a melodia, que correspondia à parte do coral, os demais, além da professora, executaram as tercinas do mestre do contraponto.

O Hugo Coqueto, que tem um gosto refinado e optou pelo erudito, está se especializando em Bach e voltou a executá-la agora, na edição mais recente da Audinter de Outono. Desta vez, apesar do nervosismo, ele encarou o desafio, mostrou personalidade e tocou até o fim, o Minueto em Sol Maior.